A jornada da vida

Desde criança e desde que consigo me lembrar, eu sempre fui fascinado por coisas mágicas e por qualquer feito que desafiasse os limites existentes. Cheguei a ser capaz de encontrar objetos desaparecidos, como o anel da minha mãe ou a bola de beisebol de um amigo, só de imaginá-los na minha mente.Aos oito ou nove anos, comecei a buscar mais informações. Alguns dos livros que ganhei ou que peguei emprestados na biblioteca continham um tipo de mágica chamada prestidigitação, queRead More