Livre-se da Inveja

Clique no player para ouvir este conteúdo

Estamos num patamar evolutivo bem avançado no nível tecnológico. Enquanto isso, em outras instâncias, parece que regredimos mais a cada dia. Olhe para a conduta ética e moral do ser humano e você verá que estamos no patamar praticamente instintivo, típico do homem pré-histórico. Fatores como o egocentrismo, a maldade, o ódio e a inveja, oriundos de uma mentalidade ignorante e animalesca, coloca-nos a anos luz de distância do sonho de reencontrar o Sagrado dentro de nós.

Infelizmente, a humanidade ainda cultua uma mediocridade insana. Basta observar como as pessoas comuns vibram com a tragédia alheia. O alto ibope dos jornais sensacionalistas, novelas e reality shows que dão ênfase à discórdia, à maldade e à vingança são prova disso.

Muitas pessoas ainda se ressentem com o sucesso alheio e não gostam nem um pouco quando os outros chegam à sua frente em qualquer nível da vida. E, quando alguém procura ser melhor, logo tentam encontrar algo de errado com essa pessoa. Veja o que aconteceu com Jesus Cristo, por exemplo. Agora, pense no que aconteceria com Ele nos dias de hoje. Seria diferente?

Todos nós fomos moldados por um corpo social emocionalmente doente. Assim, inconscientemente, passamos a condenar o sucesso, a alegria, o prazer e a felicidade alheia, talvez como forma de justificar nossos próprios fracassos.

Cultivamos o egoísmo e, de quebra, a filosofia da competição. Por conta disso, mortificamos o infinito potencial criador dentro de nós e nos enclausuramos em nossa pequena embalagem física, limitando-nos e, ao mesmo tempo, condenando todos aqueles que ousam ir além.

Como disse certa ocasião o escritor e crítico social britânico John Ruskin: “Quando um homem está envolvido em si mesmo, ele se torna um pacote muito pequeno”.

De todas as emoções vis que nos aprisionam e nos limitam, creio que a mais famigerada seja a inveja. Esse sentimento é capaz de corroer a alma de quem o possui, tornando o invejoso incapaz de perceber tamanha destruição que isso lhe causa, no nível do processo evolutivo.

A inveja pode ser caracterizada como sendo o desejo em obter o que o outro possui, tanto em termos materiais quanto em qualidades e virtudes. Tal sentimento naturalmente gera a autodestruição do portador. Mas, o pior é quando isso chega ao nível da ação do praticante que, incapaz de aceitar o sucesso alheio, tece estratégias ordinárias e mesquinhas para tentar derrubar o seu oponente imaginário. Assim, o invejoso pode até destruir sua vítima por meio da fofoca, da mentira, da calúnia e da difamação.

É fácil reconhecer uma pessoa invejosa. É sempre alguém demasiadamente egocêntrico. Basta contar-lhe algo sobre o brilho e o sucesso de alguma pessoa bem próxima e observar suas reações. Olhe em seus olhos e note que seu semblante muda de forma perceptível, a voz embarga e às vezes chega até a passar mal.

Se pudéssemos olhar o que se passa por dentro, no corpo do invejoso, notaríamos uma descarga de hormônios maléficos que desestrutura todo o seu sistema imunológico. No nível espiritual, enxergaríamos uma nuvem negra e tenebrosa à sua volta, resultante da vibração distorcida e negativa gerada por tal sentimento.

O Aprendiz sabe que a inveja é um sentimento repugnante capaz de matar aos poucos quem a possui por conta dos eflúvios negativos que a mesma faz reverberar na alma. Ora, o invejoso carrega consigo um descontentamento mórbido a nível inconsciente, provocado pela tristeza, pela dor e pelo ódio. Isso, além de mortificar o corpo, a longo prazo anula o espírito do praticante, transformando num verdadeiro zumbi.

O caminho do autoconhecimento só pode ser iniciado após o Aprendiz ter suprimido dentro de si mesmo o maldito sentimento da inveja. Isso implica em compreender e praticar profundamente o desapego, tendo por filosofia o amor pela vida, pelo próximo e pelo Criador de todas as coisas.

Muitas vezes convivemos com o invejoso e não percebemos. Isso pode até ser um bom sinal. Mostra que não comungamos com esse sentimento. No entanto, sempre é bom procurar reconhecer quem convive com você. Caso desconfie de alguém bem próximo, basta fazer o teste indicado acima. Conte algum sucesso seu olhando nos olhos do outro. Se houver inveja, verá emergir um aspecto sombrio, por conta das reações emocionais provocadas por esse sentimento infame.

Observe as pessoas à sua volta e procure ficar longe dos invejosos. Isso, obviamente não pode ser feito no nível físico. Não precisamos sair de onde estamos para nos livrar dos perigos da inveja e da cobiça. O segredo consiste em criar uma armadura invisível em torno de nós, através da transcendência. Ou seja: precisamos acreditar na Providência Divina, tomando consciência de que, além daquilo que vemos e experimentamos sensorialmente, existe uma Força Infinita Toda Poderosa que pode nos proteger a cada instante, enquanto nos mantivermos sintonizados ao bom, ao belo e ao justo.

Ajude-nos a continuar disseminando gratuitamente ideias que edificam e inspiram. Faça a sua doação para o Projeto Academia do Aprendiz através do botão abaixo.

CLIQUE NAS IMAGENS E CONHEÇA OS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL DO CRIADOR DA ACADEMIA DO APRENDIZ

 

LIVROS DO CRIADOR DA ACADEMIA DO APRENDIZ
Clique nas imagens para ler um trecho gratuitamente

Author: Francisco Ferreira, O Aprendiz

Francisco Ferreira, o Aprendiz, é terapeuta formado pelo Instituto Nefesh, Pós Graduado em Filosofia e Sociologia, com formação em PNL, Coaching, TFT, Cinesiologia Aplicada, EFT, Barômetro Emocional, dentre outros. Tem doze livros publicados, escreveu mais de quinhentos artigos de autoaperfeiçoamento e criou quinze métodos de desenvolvimento pessoal.

One Reply to “Livre-se da Inveja”

  1. Sou a autora do livro ‘Livre-se da Inveja”. Deixei claro que a palavra “Inveja” IN + veja= “NÃO se ver” (apenas ver o outro)…E acreditar na inveja leva você a partilhar a mesma energia. Tudo é uma questão de crença. Sua realidade é moldada, criada, forjada pelas suas crenças.
    Se você enxergar inveja no seu próximo é porque compartilha da mesma energia (veja isso no meu livro!). O outro é uma extensão sua, criada pela sua mente, porque todos somos um: tudo o que vemos no outro (de bom, ou de mal) temos em nós mesmos.
    Por isso, não adianta mudar ou criticar o outro. Trabalhe isso interiormente em si mesmo.
    Minha proposta foi uma viagem interior para nos desvincularmos dos valores da sociedade materialista, consumista.
    Nessa viagem, você vai se conhecer e descobrir sua vocação, suas necessidades de expressão, vai “VER-SE” como Deus o fez.
    Então, os “invejosos” externos que você enxergava, vão desaparecer como se fosse magia…Na verdade, você está comandando o espetáculo (co-criando)…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.